Aprenda como fazer um orçamento de fotografia completo e persuasivo

Tempo de leitura: 7 minutos

Você já ficou perdido ao tentar elaborar um orçamento de fotografia? Talvez, isso seja mais comum na vida de fotógrafos iniciantes, porém, dependendo da situação, qualquer profissional pode esbarrar nessa dificuldade de vez em quando.

É importante considerar que, muitas vezes, o fotógrafo não sabe como fazer o orçamento, mas o cliente também não tem muita clareza sobre o que deseja. Assim, é conveniente tratar os pontos separadamente, por etapas. Dessa maneira, fica mais fácil determinar quanto o seu trabalho custará ao cliente. Quer saber quais são os pontos a serem abordados? Acompanhe o post!

O que será fotografado

Primeiramente, entenda que cada ensaio tem as suas particularidades, portanto, é indispensável definir o que será fotografado. Para isso, pode não ser suficiente saber se serão pessoas, produtos ou lugares — também é necessário verificar quem são as pessoas, quais os lugares ou quantos produtos farão parte do ensaio.

É preciso especificar tudo que envolve o trabalho contratado em detalhes. Isso é o que determinará o grau de complexidade das fotos, já que uma cadeira é diferente de um carro; uma modelo de passarela é o oposto de uma senhora sóbria e um evento corporativo é completamente distinto de uma festa de 15 anos. Todas essas questões farão muita diferença na determinação de preços.

A quantidade de fotos entregues

Determinar a quantidade é imprescindível para qualquer trabalho de fotografia, seja reunindo em um CD ou álbum. Esse fator terá influência tanto no tempo de execução das fotos quanto na demanda da pós-produção, com o tratamento das imagens.

Caso o cliente não consiga imaginar o número exato que gostaria de adquirir, cabe a você indicar uma estimativa razoável para as necessidades desse trabalho. Por exemplo: estipule algo em torno de 40 a 50 fotos. É interessante também adicionar ao contrato uma cláusula dispondo sobre a compra de fotos adicionais, com os respectivos valores já fixados.

Procure sempre estabelecer esses critérios, pois são medidas que garantem segurança e organização, além de criar uma atmosfera de valorização do seu trabalho. Tudo isso passa ao cliente a noção exata do quanto de dedicação é necessário para se chegar ao resultado esperado.

O prazo para entrega do material

Da mesma forma que a data do evento já está prevista, o seu prazo para a entrega do material fotografado também deve ser fixado. Dependendo de quanto tempo for preciso para entregar o material, alguns clientes podem achar longo demais.

Nessas horas, você certamente terá fortes argumentos (detalhamentos sobre o processo) para justificar o prazo — o que não deve ser um problema, desde que você cumpra o que foi combinado.

É por isso que vale muito mais a pena estender a data da entrega, garantindo o que foi prometido. Apertar esse prazo só para satisfazer a clientela de imediato pode prejudicar o resultado. Lembre-se que é melhor ter uma folga para realizar as coisas com efetividade para não se arriscar e queimar o seu filme com o cliente.

Quais os formatos dos arquivos que serão entregues

Esse item é mais importante do que muitos fotógrafos pensam e, por isso, não é aconselhável deixá-lo de fora, indicando apenas o formato usado. Não se esqueça que o valor do seu trabalho será medido pelo conjunto do serviço prestado, isto é, do quanto você foi detalhista e aplicado.

Dependendo do resultado, o seu cliente pode até ficar com a impressão de que pagou pouco por algo tão bem-feito, portanto, não deixe que o contrário aconteça. O processo todo pode ser impecável, mas o resultado avaliado e aprovado pelo cliente é o que determinará o seu sucesso.

Assim sendo, procure detalhar com o máximo de fidelidade como será o material entregue. Um book, por exemplo, deve conter as especificações técnicas, como: estilo de capa, tipo de papel, número de páginas e qual o acabamento escolhido. Enfim, toda a descrição possível.

Se você entregar tudo em mídia digital, além de descrever o meio de entrega — CD, DVD, download pela web, pen-drive — inclua os formatos usados, como: jpg (impressos) ou png (digital), sempre em alta definição (300 dpi e 20 x 30 cm).

Os valores e as formas de pagamento

Embora o orçamento não seja um contrato, geralmente é o documento mais visto pelo cliente. Sendo assim, não deixe de incluir dados importantes para evitar surpresas após a aprovação. Essa também é a melhor oportunidade para declarar as formas de pagamento, aproveitando para indicar um ou mais parcelamentos.

Ainda que essas informações sejam especificadas no contrato, é indispensável que constem no orçamento, mesmo que resumidas. É a maneira mais segura de proteger tanto o profissional quanto o cliente caso algo dê errado ou seja necessário esclarecer eventuais dúvidas.

E para preservar ainda mais as partes envolvidas, envie o orçamento apenas por escrito, jamais por telefone. Assim tudo fica documentado, preto no branco, sem sombra de dúvidas.

O ideal é elaborar um documento em PDF com todas as informações relevantes, devidamente discriminadas em uma diagramação e layout atrativos. Dessa maneira, você reforça uma imagem profissional e passa a boa impressão inicialmente transmitida pelo seu portfólio.

O uso das fotos

O uso das imagens em mídia é uma das fontes de remuneração para os fotógrafos, por isso, as suas diversas aplicações pelo cliente devem ser consideradas. Se o uso for feito por revista, você pode fixar um preço, mas se isso se estender para catálogo, e-mail marketing, site, banner e outras peças e mídias impressas, o valor aumentará.

É natural isso acontecer e muitas pessoas não entendem a razão. Mas o motivo é simples: para adequar a mesma foto para diversos meios, o fotógrafo terá muito mais trabalho ajustando os formatos dos arquivos, modos de cor e resoluções compatíveis.

Outro fundamento é o fato natural de que empresas com peso suficiente para promover grandes campanhas de mídia têm condições de arcar com orçamentos mais caros que clientes menores — estes farão uso mais limitado do material fotográfico.

Muitos clientes recusarão a concessão de um plano de mídia, caso em que é possível apresentar um valor para licença ampla de uso, obviamente mais onerosa que em usos restritos e individuais.

A validade da proposta

Com tantos itens para se preocupar, pode ser que esse ponto passe despercebido e isso acontece muito, então, fique atento e inclua um período de validade para a sua proposta. Isso poderá garantir os ajustes de prazos e valores nela incluídos.

Essa atitude tem a vantagem de encorajar a rápida decisão do cliente, que já estará ciente da possibilidade de haver aumento de valores depois que expirar o tempo concedido para optar pelo serviço.

Viu como vale a pena elaborar com cuidado um orçamento de fotografia? Os pontos descritos são capazes de dar segurança para você e o para o cliente. Depois disso, a sua única preocupação será dar o melhor de si, divertindo-se com a sua paixão pela fotografia enquanto faz disso uma profissão rentável.

Agora que você já sabe como elaborar um orçamento completo para fotografia, que tal assinar nossa newsletter e receber mais conteúdos interessantes como esse diretamente no seu e-mail?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *