Como eu edito meus álbuns – Eduardo Vanassi – IndiVlog

Tempo de leitura: 2 minutos

Nesse vídeo resolvi abrir a caixa de ferramentas e mostrar para vocês alguns livros que recebi aqui no escritório do Fotologia, produzidos lá pela Indimagem! Obviamente, procurei demonstrar o produto (hehehe), porém o mesmo vídeo foi pensado para mostrar um pouco de como faço a edição dos meus livros. 😉
Antes de apresentar as dicas, quero ressaltar que esse estilo de edição e montagem pode ser realizado no Indesign, Photoshop, SmartAlbums ou até no próprio Software Grátis da Indimagem. A ideia é mostrar o sentido e a mentalidade do layout, por trás de cada um dos projetos.

NÃO ESQUEÇA DE ASSISTIR O VÍDEO PARA ENTENDER AS REFERÊNCIAS E TER ACESSO AO CONTEÚDO COMPLETO. =)

Então vamos para o resumo de algumas das dicas apresentadas no vídeo acima:

 

  • Para fazer a capa do seu livro, procure por imagens que tenham “respiro” (aquele espaço “sobrando” e com textura neutra, que pode ser facilmente clonado no Photoshop). Enquanto estou fotografando, sempre procuro capturar 6 ou 7 imagens que possam servir posteriormente para a confecção da capa.
  • Edições limpas e simples são as minhas preferidas porque, como fotógrafo latino que sou, gosto de fotos coloridas, contrastadas e saturadas, logo, edições mirabolantes não casariam com o tipo de livro que imagino para as minhas clientes.
  • Procuro sempre utilizar em uma mesma lâmina (conjunto de duas páginas abertas) fotos que combinem entre si. A combinação pode ser relacionada à locação, looks, cores, enfim, todos os elementos que co-relacionem as imagens.
  • Tenho um limite pessoal de 4 a 5 fotos para serem utilizadas em uma mesma lâmina, justamente para elaborar as composições de forma dinâmica.
  • Opto sempre pela folha de guarda (a primeira lâmina do livro) preta, porque acredito que a branca é muito sensível à sujeira.
  • Outra sacada legal é relacionada à “borda infinita” (quando a foto termina no limite da página). O layout precisa de uma unidade no design, e continuar com a mesma linha de raciocínio até o final é essencial, logo, nada de moldura.
  • Sempre que possível, “encaixe” as linhas do horizonte das diferentes imagens da lâmina, isso dá um aspecto “proposital” para o design.
  • Todas as vezes em que utilizo fontes (nomes e datas escritas) opto por cores neutras ou capturadas da própria imagem (selecionadas com o conta gotas do Photoshop).

 

Lembre-se: um design elegante, moderno e atemporal deve focar e valorizar as imagens, deixando de lado os modismos e exageros.

Um grande abraço e não esqueça de assistir o vídeo para que tudo o que relatei por aqui faça sentido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *