Descubra 5 técnicas para fotografia de pet

Tempo de leitura: 4 minutos

Recentemente, o IBGE divulgou a assombrosa movimentação do mercado pet no Brasil: R$ 19,2 bilhões por ano com a projeção de um crescimento de 7%. Essa alta demanda tem estimulado o investimento nesse setor, o que influencia no ramo de fotografia de pets.

O mesmo instituto apontou a existência de mais de 50 milhões de cães e 22 milhões de gatos de estimação nos lares do país. É uma demonstração clara do quanto apreciamos esses amigos tão especiais.

Com esse panorama promissor, o mercado da fotografia pode ser explorado em campanhas publicitárias dos produtos pet, além de render belos ensaios fotográficos. A seguir, descubra 5 técnicas interessantes para fotografar animais de estimação e produzir um trabalho encantador.

1. Conheça a personalidade do animal

Para começar um ensaio fotográfico como esse, é importante entender que planejamento é essencial — a fim de evitar complicações e garantir a segurança de todos os envolvidos no trabalho.

Sabemos que todo animal quer reconhecer os locais onde chega pela primeira vez. Eles farejam tudo o que encontram pela frente e ficam inquietos. Portanto, quanto mais familiar for o ambiente escolhido para a sessão de fotos, mais tranquilo será para interagir com o peludo.

Além disso, a relação com o dono somada à sua própria personalidade contribuem muito com o resultado do ensaio. Daí a importância de conversar com o dono para saber como o bichinho reage a determinados estímulos — assim fica mais fácil captar as imagens que melhor o represente.

2. Use diferentes enquadramentos

Fotografar pets pode trazer um combo de desafios, mas existem algumas estratégias que podem funcionar bem. O ideal é que você desenvolva uma linguagem própria para capturar as fotos dos seus clientes peludos.

O importante é ter em mente que os bichos também têm os seus ângulos favoráveis, então descubra isso e use a seu favor, com diferentes posturas e perspectivas variadas.

Experimente os recursos de macro em pontos fortes do animal, como expressão dos olhos, patas, bigodes etc. O cenário também ajuda a acrescentar mais elementos ao conjunto da foto, dentro e fora de casa.

3. Posicione-se na altura do pet

Uma das técnicas que valoriza muito a imagem dos bichinhos e cria proximidade é fotografá-los na altura deles. Isso traz um ponto de vista menos humanizado e mais voltado para o seu universo.

Ao clicar no mesmo nível do animal, você percebe as coisas do mesmo ângulo que ele. À primeira vista parece não fazer diferença, mas a experiência de fotografar dessa maneira cria a oportunidade de notar a intimidade que esse simples gesto gera entre bicho e humano.

4. Ajuste o obturador para os mais inquietos

O excesso de atividade e a inquietude de alguns bichinhos pode desafiar a expertise de qualquer fotógrafo. Para ajudá-lo a registrar melhor as imagens em movimento, use a velocidade do obturador mais alta.

É possível trabalhar no modo manual com a maioria das câmeras digitais. Com isso, você pode ajustar a abertura e a velocidade do obturador. Como alternativa, escolha o modo que prioriza o obturador, assim a câmera decide qual será a abertura ideal automaticamente.

É recomendável deixar esses ajustes preparados e ficar pronto para adiantar-se às ações do peludo agitado. Outra opção interessante é manter a máquina no modo contínuo e tirar fotos sequenciais.

5. Fique atento à iluminação

Quando o assunto é fotografia, nunca é demais falar sobre iluminação, afinal, esse é um dos pontos fundamentais da arte. Com ensaios de animais, a atenção é ainda maior.

Em ambientes internos, talvez o flash seja necessário — e isso é um problema, já que pode distrair ou assustar o animal, sem falar no indesejável efeito “olhos vermelhos”. Por isso, a luz natural é a melhor opção, então priorize os locais externos. O trabalho fluirá melhor e as fotos ficarão muito mais espontâneas.

Dedicar-se à fotografia de pet é uma atividade trabalhosa, mas lúdica. A chave para produzir fotos incríveis é uma dose de paciência a mais, principalmente com os bichinhos não adestrados ou agitados. No mais, é só alegria!

Se você trabalha com fotografia de pet, deve ter alguma história legal pra contar, então comente no post e compartilhe suas experiências e dicas com a gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *