Entenda definitivamente a diferença entre luz dura e luz difusa

Tempo de leitura: 3 minutos

Na fotografia, existem diversos tipos de luz, cada uma com suas características próprias, de acordo com a sua fonte, ou seja, de onde e como ela está sendo emitida. É muito importante que quem trabalha com fotografia entenda quais são esses tipos de luz e como elas se comportam. A diferença entre luz dura e luz difusa, por exemplo, é um conceito essencial a se entender. Neste post, vamos explicar para você qual a diferença entre luz dura e luz difusa, além de dar dicas de como criar e quando usar esses diferentes tipos de luz. Vem com a gente!

Qual a diferença entre luz dura e luz difusa?

O conceito de dureza da luz está ligado ao tamanho da fonte de luz, à sua distância do objeto e ao tipo de sombra que ela produz.

Luz dura

A luz dura vem de fontes de luz pequenas em relação ao motivo, produzindo sombras bem marcadas e aparentes, fáceis de identificar. O sol, por exemplo, é uma fonte de luz dura, pois, apesar de ser enorme, ele está muito distante de nós. Ou seja, ele é pequeno em relação ao objeto.

Essa luz é mais usada, normalmente, para criar um efeito dramático ou como parte mais integrante do visual da composição. A luz se torna praticamente um objeto em si, um elemento narrativo. Para criar luzes duras, você precisa usar fontes de luz pequenas, sem quaisquer tipos de difusores. O sol em um céu sem nuvens, um flash ou um abajur são exemplos de fontes de luz dura.

Luz difusa

Já a luz difusa é aquela que vem de fontes bem grandes em relação ao objeto, iluminando-o mais uniformemente e causando sombras bem suaves, menos delineadas.

Ao contrário da luz dura, a luz difusa não se destaca na foto. Ela é um apoio, uma ferramenta para retratar o objeto, mas sem a intenção de chamar tanta atenção para si. Ela cria um efeito de suavidade, mais lisonjeiro, sendo muito usada em fotografias nas quais o objeto deve estar bem iluminado ou quando se quer passar a sensação de ternura.

Para criar esse tipo de luz, é preciso colocar difusores nas luzes, aumentando sua área e a transformando. O uso de difusores, sombrinhas e soft box, por exemplo, são formas de transformar luzes duras em luzes difusas. Ao usar o flash externo, outra maneira de fazer isso é apontá-lo para uma superfície, como o teto ou parede, por exemplo. Ao fazer isso, sua fonte de luz dura, o flash, incide nessa superfície e se espalha pelo ambiente, tornando-se uma fonte de luz difusa.

Já quando falamos de luz natural, além do uso de difusores e rebatedores, as nuvens também têm o poder de transformar a dureza da luz do sol. Assim como os horários em que se escolhe fotografar: dependendo de onde o sol se encontra, sua luz se espalha de forma mais homogênea e se torna uma luz difusa (como no início e fim do dia, por exemplo).

Fotografia é luz e, portanto, empregá-la de forma certa faz toda a diferença na sua foto. Compreender a diferença entre luz dura e luz difusa é essencial para saber como usá-las ao seu favor, enriquecendo seu trabalho. Contudo, não existe melhor ou pior tipo de luz. Você deve usar uma ou outra de forma adequada, sempre alinhada ao seu objetivo.

E agora, já está pronto para começar a criar iluminações incríveis para as suas fotos? Compartilhe este post nas suas redes sociais para mostrar para os seus amigos o que você aprendeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *