Seguro para equipamentos fotográficos: entenda como funciona

Tempo de leitura: 6 minutos

Mesmo sendo inegável que, nos últimos anos, a acessibilidade dos equipamentos fotográficos tenha se tornado muito maior, ainda assim eles são caros. Nós que trabalhamos profissionalmente com a fotografia sabemos bem disso.

Um kit básico de uma câmera, um par de lentes e mais alguns acessórios podem chegar facilmente à casa das dezenas de milhares de reais. Imagine ser roubado ou quebrar um equipamento desse por acidente? É um prejuízo e tanto, não é mesmo?

Justamente para não ter que ficar preocupado com essas possibilidades infelizes é que existe o seguro. Por meio dele, você pode trabalhar sem medo, porque caso algo aconteça com o seu equipamento, haverá ressarcimento. Isso não elimina toda a dor de cabeça que terá, mas já ajuda bastante.

Se você anda incomodado com essa questão e deseja fazer um seguro para equipamentos fotográficos, descubra agora tudo o que precisa saber antes de contratar um!

O que é um seguro para equipamentos fotográficos?

Assim como em qualquer tipo de seguro, a modalidade para equipamentos fotográficos serve para garantir a integralidade do seu bem. Você paga um custo anual para a seguradora e ela, por sua vez, restitui o valor do seu bem declarado — caso aconteça algo com ele, de acordo com as condições determinadas no contrato.

Qualquer pessoa, seja profissional ou amadora, empresa ou pessoa física, em território nacional ou internacional pode contratar esse tipo de seguro.

Qual é a importância do seguro?

Não é difícil entender a importância de ter um seguro para o seu equipamento, basta imaginar no problema que seria hoje se você ficasse sem o seu instrumento de trabalho e ainda tivesse que desembolsar uma grana para comprá-lo novamente, sem estar preparado para isso. Se essa compra já dói no bolso quando estamos nos planejando para ela, imagina quando não. Pode ser um verdadeiro prejuízo.

Se recomprar todo o seu equipamento hoje não for impacto tão significativo no seu patrimônio, por você ter uma renda alta, por exemplo, talvez valha correr o risco e economizar o dinheiro do seguro. Porém, se esse valor teria uma grande influência na sua renda, vale a pena realizar o seguro.

Até porque, a maioria das apólices desse tipo chegam, no máximo, até 10% do valor do bem anualmente. Ou seja, levaria 10 anos para ela deixar de ser válida.

Como funciona?

Para contratar o seguro, você pode entrar em contato com uma corretora, que indicará algumas opções adequadas ao seu perfil ou pesquisar por conta própria. No geral, o procedimento é o mesmo, o que vai variar são os tipos de cobertura. Confira as principais logo abaixo.

Tipos de cobertura

Danos físicos

Essa normalmente é considerada a cobertura básica, ou seja, o mínimo que você pode obter. Ela cobre eventos de origem externa que causem danos físicos, como quedas, acidentes, incêndio, raios, danos causados por raios solares, entre outros.

Roubo

Cada seguradora poderá delimitar as características do tipo de delito. Algumas podem diferenciar o pagamento em relação a furto e roubo, mas, geralmente, cobrem as situações causadas pela criminalidade.

Cobertura internacional

Na maioria das vezes, a cobertura internacional é contratada à parte. Por meio dela, todas as suas garantias são estendidas para qualquer lugar do mundo. Essa é uma ótima opção se você costuma realizar esse serviço ou viajar muito.

Aluguel

Se você costuma alugar o seu equipamento, também pode contratar um seguro específico para essa situação.

Qual é o limite da cobertura?

A indenização está limitada de acordo com o valor da nota fiscal apresentada na hora de assegurar o produto ou de acordo com o combinado no momento da assinatura do contrato. Muitas vezes, quando o dono do equipamento não tem mais a nota fiscal, a seguradora faz uma pesquisa pela média do valor do produto e chega a um consenso com o proprietário.

Entretanto, é possível que, em alguns casos, seja necessário pagar uma franquia. O que isso quer dizer? Dependendo do que acontecer, pode ser necessário que você contribua com mais uma porcentagem do valor devido, para obter a indenização.

Como escolher o seguro ideal?

O seguro ideal varia de pessoa para pessoa, porque isso depende bastante do uso que faz do seu equipamento, do local que costuma trabalhar e também do valor total do seu patrimônio.

Se você ainda está começando e tem equipamentos mais baratos, pode ser que ainda não valha a pena realizar um seguro. Contudo, caso já atue profissionalmente e viva carregando milhares de reais em equipamentos para lá e para cá, o seguro é uma opção muito interessante.

O local também influencia bastante nesse quesito, principalmente em relação à índices de violência. As chances de ser roubado em uma capital é bem maior do que no interior, por exemplo, portanto, considere fazer um seguro se você costuma trabalhar nesta região.

Outro ponto também é em relação ao uso que você dá ao equipamento. Se realiza ensaios em estúdios, certamente o seu equipamento está bem mais seguro do que quem atua na rua. Assim, cabe pesar mais essa característica na hora de tomar essa decisão. A cobertura ideal se relaciona às suas respostas para essas perguntas.

Como proceder, caso precise usar o seguro?

Se for um caso de roubo ou furto, faça imediatamente um boletim de ocorrência. Essa será uma prova solicitada pela seguradora no momento do recolhimento da documentação. De todo modo, zele pelos equipamentos que sobraram, inclusive carregadores, fios e caixas, pois a seguradora poderá solicitá-los.

Depois disso, entre em contato com a seguradora. Eles passarão todo o procedimento necessário para dar prosseguimento no seu processo.

O seguro para equipamentos fotográficos pode ser ou não uma opção viável para você. Isso vai depender do uso que dá para eles. Porém, de maneira geral, se você atua profissionalmente e já realizou um investimento considerável em equipamentos, vale a pena ponderar sobre essa opção.

Considere isso como mais um dos seus custos de trabalho e passe a incluir esse valor no seu preço no mercado. Assim, você consegue trabalhar mais tranquilo, sem se preocupar a todo momento com o que pode acontecer.

Gostou de saber mais sobre seguro para equipamentos fotográficos? Achou que ficou faltando alguma informação? Ficou com alguma dúvida? Deixa para a gente aqui embaixo nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *